Karine Sampaio

Minha foto
Sou mineira, 25 anos e tentando correr atrás de muitas coisas, negócio próprio, casamento...Sou uma noiva que está buscando sair do período "loucura" e entrar para o "colocando as coisas no eixo". Ainda assim a ansiedade não deixa de existir,o sono é perdido ás vezes também e pareço perder o rumo, fico dividida entre ampliar os horizontes profissionalmente e manter o foco nos preparativos, mas uma coisa ajuda a outra né?! Estou confiando em Deus pra que esse desespero desapareça!Enfim, amo o meu noivo (e como!!)e estou super curiosa pra ver como terminará esta história de casamento (num final feliz, é claro!)!

Contagem regressiva...

Daisypath Wedding tickers

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Casamento é coisa séria!

 Bom diaaa!
Como estão vocês?!

Hoje eu queria começar o dia com uma reflexão interessante.
No dia 09/11 ao entrar no provedor do me e-mail vi uma 
notícia em destaque. Na verdade era uma coluna do YAHOO! 
sobre relacionamentos que é na maioria das vezes escrita
 por Sandra Maia.Essa é a especialidade  da escritora:
RELACIONAMENTOS .Acho que na maioria das vezes ela
tem razão,inclusive ao dizer essas palavras abaixo.

Casar é a solução?

Por Sandra Maia
Às vezes me pergunto por que passamos parte da nossa vida fazendo tudo às pressas, tudo correndo? Outras, quero compreender por que nos permitimos, por exemplo, gastar nosso tempo, nossa vida, com coisas que não têm solução, não fazem sentido.
A vida é rara, as relações um presente divino. Então, fica a questão: por que não conseguimos viver o que estamos vivendo? Por que deixamos tudo explodir para consagrar nosso sentimento de eternas vítimas? Muitos vão responder: “Não dá tempo! Tenho muito a fazer!”. Eles fogem do que poderia ser uma aventura: simplesmente viver.
Ficam até tarde no que chamam de trabalho. Empregam a maior parte da vida tentando solucionar o que não tem solução. Nesse sentido, não é a questão do quanto trabalham e sim do como trabalham. Estão todos anestesiados. Vivem com uma visão deturpada e quase sempre se pensam “casados” com a empresa – no pior sentido da palavra – naquele em que se lê: estou condenado a esta cadeira… Enfim, isso não existe.
O que é real são as pessoas acordadas, comprometidas com sua eficácia, seu sucesso, sua presença. O resto… Bem, o resto é bobagem. Assim também acontece nas relações. Queremos viver tudo de uma única vez, numa única noite, numa única comemoração!

Injuriados
Talvez por isso vamos encontrar tantos amigos frustrados, revoltados, chateados com seu parceiro, com a vida, com o relacionamento.
Um amigo, outro dia, estava descrente de tudo. Havia passado meses programando a festa de aniversário de dez anos de casamento. Fez tudo – ou melhor – fez muito mais do que deveria para que desse certo. E para que tudo saísse bem, acabou por ficar seis meses ausente da relação e ocupado demais com a comemoração. O problema é que quando o grande dia chegou, nada foi como havia planejado. Suas expectativas estavam muito além do possível e sua parceira ainda estava magoada com o descaso dos meses anteriores
Estar casado é mais que uma sucessão de eventos. Demanda presença, cuidado, aliança. E, infelizmente, a urgência cega. Muitos se Casam sem saber exatamente o significado da decisão. Precisam resolver um algo que, na maioria das vezes, não tem nada a ver como parceiro.

Despreparados
Decidem e vão para o altar, sem nem mesmo ter estressado a discussão sobre as coisas que contam.: vão ter filhos, isto é, querem ter filhos? Vão trabalhar – ambos? Como serão rateadas as despesas? Os amigos comuns e os amigos pessoais cabem na relação? A casa – como será, quem cuidará das tarefas do dia a dia? Quem se encarregará das contas, do cachorro, do gato? E quando as crianças chegarem, quem fará o quê? Estarão preparados?
De fato, nunca vamos estar totalmente prontos para uma relação, seja profissional, pessoal ou familiar. Mas não podemos perder de vista que as relações estão lá para nos tornarmos melhores e não piores. Tudo o que se relaciona a um Casamento – quer dizer escolha, compromisso, respeito a si mesmo e ao outro – e a viver com o outro, não pode nunca ser confundido com aprisionamento.
Nem tampouco um novo emprego, uma nova posição, um novo negócio. Se assim for, vamos deixar de lado nossa essência, nossos desejos, nossos sonhos… E isso não quer dizer amar. A arte de amar, relacionar-se, comprometer-se, envolver com outro não deve ter um peso maior que a vida ou a evolução do ser. A vida é para ser vivida. É nossa para fazermos tudo de bom, de belo e verdadeiro. Os outros, o planeta, as relações, ficarão sempre mais possíveis quando isso for claro. E, então, casar ficará bem mais fácil.



Espero que tenham gostado!
Vamos pensar e fazer certo?!

Bjinhos

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir